sexta-feira, 15 de maio de 2015

Brunello di Montalcino Terralsole Riserva 2004, Churchill's Estates Douro 2011 e Tormentas Serena Pinot Noir 2013

Noite de apenas 3 confrades: Tonzinho, JP e eu. Mas os vinhos estavam muito bons. O Tonzinho surgiu com um Brunello di Montalcino Terralsole Riserva 2004. O vinho tem um rótulo prateado, meio estranho, e ninguém conhecia o produtor. Mas em se tratando de um Brunello Riserva, a gente esperou coisa boa. E veio! O produtor é Mario Bollag, filho de um advogado suiço e que tem um histórico de aventuras na vida. Quatro rótulos de seus vinhos vêm de artistas haitianos, de uma época que ele viveu 5 anos por lá. Isso inclui este Brunello di Montalcino Terralsole Riserva 2004. O vinho é maturado em carvalho Allier, e tem um perfil mais moderno. Mas nem por isso deixa de trazer a riqueza de um grande Brunello. No início mostra aromas herbáceos, de folhas secas, a frente da fruta. Mas em pouco tempo vai se soltando e os aromas de cereja emergem em meio a tabaco, funghi, chá e especiarias. Foi mudando muito depois de aberto. Em boca é intenso e bem sedoso, com taninos muito redondos.  O final é muito longo e especiado. Uma beleza de Brunello! Uma grata surpresa. Embora possa ser guardado, já está na hora de beber. Ah, ele apresenta bastante borra. Decante para que ele respire e também para se livrar dela.
Eu levei um Churchill's Estates Douro 2011. Bem, já fazia um tempo que queria experimentar os vinhos de mesa deste famoso produtor de vinhos do porto. Ele é feito com Touriga Nacional, Touriga Franca e Tinta Roriz. Tem cor bem escura e aromas bem florais e meio à fruta madura (ameixa e amoras), fumo, especiarias e uns toques herbáceos. Em boca é denso e frutado, e as especiarias estão lá. Para implicar: Um pouquinho mais de acidez faria bem. Não é daqueles para se beber muitas taças. É perfeitamente apreciável agora, mas deve ganhar bastante com adega. Impressionante o valor deste vinho lá fora (~17 doletas) pela sua qualidade. Mesmo aqui, seu valor é justo pelo que oferece. Só para ilustração, a WS lhe tascou 93 pontos. É claro que ficou atrás do Brunellão, mas também é muito bom.
E para finalizar, o JP abriu o Tormentas Serena Pinot Noir 2013, do Marco Danielle. O vinho é feito com uvas de Nova Pádua, cultivadas em altitude de 750 m. A produção é pequena, de apenas 673 garrafas. A fermentação é feita com leveduras da própria uva. É um vinho com aromas de cereja e framboesa, em meio a toques terrosos, de canela e noz moscada. Em boca é leve, repete o nariz e é bem equilibrado. Muito gostoso! Já está pronto, mas pode ser guardado.
Isso aí!


4 comentários:

  1. Olá Flavio!
    Concordo com suas impressões sobre o Churchill's.
    Se for a Portugal ou se tiver alguém que possa trazer, experimente o Quinta da Gricha!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Márcio!
      Valeu! Logo que der vou seguir a sua sugestão e experimentar o Quinta da Gricha!
      Abraços,
      Flavio

      Excluir
  2. Flavio você já experimentou o Serena do Vinhedo Serena (as uvas desse Serena do Marco vieram do vinhedo original, por isso ele deu esse nome)?

    http://vinhedoserena.com/

    Ele já lançou as safras 2011, 2012 e a 2013 (que vendeu parte das uvas para o Marco) ainda será lançado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Eugênio,
      Ainda não experimentei. Quando tiver a oportunidade, o farei. Gostei deste do Marco feito com uvas de lá.
      Abraços,
      Flavio

      Excluir