quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Almanegra Orange 2016: Uma bela novidade de Ernesto Catena!


Não é sempre que surgem novidades no mundo do vinho. Tem muita coisa igual, sem a capacidade de surpreender paladares. Bem, os chamados "vinhos laranja" também não são novidades, mas este Almanegra Orange 2016, de Ernesto Catena, sai do campo "normal", é novidade no mercado e agrada muito. A garrafa é algo a parte. Bonita, bojuda, pesada, rotulada à mão, com rolha usadas em vinho do porto. De muito bom gosto. O conteúdo, não fica atrás. Como em outros "vinhos laranja", as uvas são fermentadas com as cascas, dando a cor característica. Aliás, que uvas? A identidade não é revelada. Eu acho que tem Chardonnay e Semillon, mas é só chute. Torrontés, talvez? O vinho é depois maturado por 9 meses em barricas, o que lhe agrega ótima complexidade, mas sem deixar marcas. Além da cor linda, o vinho é muito aromático. São claras as notas florais e de damasco, em um fundo cítrico, leve mel,  e amendoado. Em boca é seco, mas volumoso, tem boa acidez e final longo e frutado. Desce fácil! Delicioso! Para beber solo ou acompanhar comida. Acredito que encare até uma sobremesa. Não pelo dulçor, mas pelo volume e pela fruta que é estrela neste vinho. Como para outros vinhos laranja, a temperatura é chave. Embora não haja problema em bebe-lo mais resfriado, o ideal é apreciá-lo em temperatura entre 10-12 graus, quando ele exala melhor os seus aromas. Recomendo! Comprei na VinhoBr. Obs: Apenas 2.666 garrafas foram produzidas, de maneira artesanal. O contra-rótulo traz uma frase legal do Ernesto: "Orange es la bandera de guerra que alzamos junto a los productores de vinos artesanales contra la industrialización del arte de hacer vinos".
Vejam que bela cor!




quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Quem Procura, acha! Procura 2012, La Vicalanda Reserva 2009 e outros

Esta reunião da confraria já tem um bom tempo... Mas achei as fotos e quem procura, acha! E quem achou um belo vinho para nos brindar foi o Paulinho, Rei dos Portugueses: Procura 2012! O nome do vinho vem mesmo da procura feita pela produtora, a espanhola Susana Esteban, por vinhas no Alentejo para fazer seus vinhos. E segundo ela, essa procura só terminou em 2011, quando encontrou duas parcelas muitos especiais. A primeira, de Alicante Bouschet, de baixíssima produção, plantada em solos xistosos. A segunda, uma mistura de castas em Portalegre, também de baixa produção, em uma região muito fresca. O Procura 2012 foi feito com Alicante Bouschet (45%) e outras castas (55%). A fermentação foi em inox e a maturação em barricas de carvalho francês 30% novas, por 16 meses. A produção foi pequena, de apenas 5.100 garrafas. É um vinho especial! Cor escura, bonita, brilhante. Aromas de fruta madura, tabaco, chocolate e grafite. Em boca, intensidade e muito frescor, com taninos presentes e muito acertados. O vinho é sedoso, cremoso, com final longo e mineral. Os 14,5% de álcool não se fazem notar. Uma beleza! O melhor da noite, disparado! Vinhão!

O Joãozinho levou um La Vicalanda Reserva 2009. O vinho, riojano das centenárias Bodegas Bilbaínas, é um 100% Tempranillo produzido com uvas cultivadas com manejo sustentável, sem uso de inseticidas. A maturação é feita em barricas novas de carvalho francês Allier, com tostado médio, por 14 meses. Trasfegas são realizadas para dispensar filtração ou colagem. Após engarrafamento, o vinho descansa no mínimo 24 meses em garrafa antes de ir ao mercado.  O vinho tem aromas vivos, de cereja, ameixas, casca de laranja, alcaçuz e especiarias, como cravo e canela. Em boca mostra ótima acidez, mas ainda está nervoso, tânico. Talvez se acalmasse com alguma decantação. O fato é que precisa de uns anos para dar uma sossegada. Mas é um vinho com muita estrutura e bom futuro. 


O Caião levou um Carmelo Patti Malbec 2007. Deste a turma é fã. Eu prefiro o Cabernet Sauvignon do produtor (e o blend), mas o Malbec também é bom. Tem cor mais clara, cereja, e aromas de framboesas e especiarias doces. Em boca mostra boa acidez, especiarias e taninos redondos. Um toquezinho de couro também é presente. Um bom Malbec de Carmelo Patti, sem exageros doces e diferentes dos padrões "Malbequianos" tradicionais. Bom vinho.

O Tonzinho levou embrulhado um Casillero del Diablo Legendary Collection 2011. O vinho é uma edição especial feito com 90% Cabernet Sauvignon e 10% Carmenére. Passa 14 meses em barricas francesas e americanas. Não teve erro - A turma matou na hora que era um CS chileno. O apimentado não deixava dúvidas. Mas ele não era exagerado. E não é que o vinho era bom? Claro que não era nenhuma Brastemp, mas era bem feito. Aromas de cassis, ameixas, cacau e pimenta do reino. Em boca, repetia o nariz e mostrava taninos finos, em um fundo mineral. Bom vinho. Parece que traz assinatura de jogadores do Manchester. Mas não sei quais...rs.
E para finalizar, um vinho doce, de sobremesa, levado pelo JP: Achaval Ferrer Dolce Malbec 2012. Já vi gente falar bem deste vinho, mas não será o meu caso. Se já tenho restrições a muitos vinhos de mesa feitos com a Malbec, pelo dulçor, imagina um doce prá valer, que tem doce até no nome? Parece que é feito utilizando uma abordagem similar ao ripasso. Bem, pense em algo doce e adoce um pouco mais. É isso! Muito doce para o meu gosto. Aliás, para o gosto de todos os confrades. Ninguém conseguiu beber muito dele. Mas deve ter gente que não ache tanto. Ah, e não é barato o danado.
Isso aí!




domingo, 6 de agosto de 2017

Chablis Billaud-Simon Grand Cru Vaudésir 2010: Grande Vinho!

Domaine Billaud-Simon Chablis Grand Cru Vaudésir 2010: O Akira abriu este vinhão em meu aniversário. O produtor é um dos mais populares de Chablis. Vaudésir é um dos sete Grand Cru de Chablis, e gera vinhos menos musculares que seus irmãos Les Clos e Valmur. O interessante é que ele abriga o vinhedo La Moutonne, de apenas 2,5 hectares, que não entra na AOC mas que é extraoficialmente considerado como se fosse um oitavo Grand Cru. Este Billaud-Simon Vaudésir 2010 tinha cor linda, amarelo clara, dourada. Aromas ricos de cítricos, casca de limão siciliano, maçã verde, nozes, leve mel e minerais. Em boca, intenso, seco, vibrante, fresco e mineral. Uma beleza de Chablis, com o frescor peculiar e a complexidade esperada de um Grand Cru. Evapora logo da taça! Excelente! Para beber solo ou acompanhando comida. O pessoal recomenda foie gras, lagosta e camarões. Uma falha: Faltou a foto da taça, importante para os brancos (como sempre diz meu amigo Eugênio Decantando...)

Nota: É bom ressaltar que um Chablis Grand Cru tem preço melhor que outros grandes brancos borgonheses de qualidade similar. 





sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Momento de tristeza: Sensei Sasaki partiu

Sensei Sasaki. 8o Dan Shotokan pela Japan
Karatê Association. Figura adaptada do site:
http://www.fpktradicional.com.br
Quando iniciei minha pós-graduação em São Paulo, queria usar bem meu tempo, não apenas para os trabalhos científicos, mas também, para cuidar do meu corpo e mente. Sempre pratiquei esportes, e era iniciante no Karatê. Fui ao Centro de Práticas Esportivas da USP querendo me matricular na arte das mãos vazias. Informaram-me, no entanto, que o semestre já havia se iniciado, e que se eu quisesse, teria que falar diretamente com o professor. Mal sabia eu que se tratava do Grande Mestre, Sensei Yasuyuki Sasaki. Era uma terça-feira e havia aulas à noite. Fui então um pouco antes da aula começar, já com meu kimono, falar com o Sensei sobre a possibilidade de praticar Karatê. Ao entrar no ginásio, ainda vazio, me deparei com uma figura imponente e ao mesmo tempo calma, sentada no dojô realizando seu aquecimento. Ele era assim, sempre chegava antes dos discípulos. Caminhei em direção a ele, me sentei em posição de respeito e o cumprimentei. Ele olhou para mim, pediu um tempo, e depois de alguns minutos foi falar comigo. Disse-lhe de minha vontade, e ele, rapidamente, buscou um diário que trazia os nomes dos alunos. Passou o olho por ele e riscou um dos nomes, de um aluno que já havia faltado quatro vezes, colocando o meu no lugar. Obviamente, fiquei muito feliz e lhe perguntei quando iniciaria. Ele respondeu surpreso: "Agora! Você não está de kimono? Entrou no lugar de alguém que já tinha 4 faltas, portanto, não pode faltar mais". Fiquei feliz e fiz meu primeiro treino. Aliás, não foi meu primeiro treino como aluno do Sensei Sasaki - Foi meu primeiro treino de Karatê! Considerei que aquele era meu início, que tudo que havia feito antes, era nada. E tinha toda a razão. Nos incontáveis treinos, extenuantes, como sempre, tive o prazer de desfrutar dos ensinamentos de um grande mestre. Fui um privilegiado! Além dos refinados ensinamentos técnicos, recebi do Sensei grandes lições de caráter. Lembro-me de inúmeras conversas que tivemos, no CEPEUSP ou nos famosos Gashukus em São Roque. Algumas delas, me deram força para superar as inúmeras dificuldades que passei. Certa vez, no final de um treino, entre dezenas de alunos, ele olhou para mim e me convidou para tomar um suco de laranja na cantina do CEPÊ. No caminho, me disse que havia notado que eu estava passando por dificuldades. Com toda a sua filosofia e sensibilidade, o Sensei Sasaki foi me dando força, por meio de suas metáforas e experiência de vida. Nesta conversa, especificamente, ganhei forças para concluir meus trabalhos e continuar em frente. O Sensei fará muito falta. Ele representou muito para o Karatê brasileiro. Formou um número imenso de Karatecas que hoje, perpetuam seus ensinamentos. Ele não era um Professor de Karatê. Era um Mestre! Não ensinava um esporte, e sim, uma Arte Marcial. Sensei Sasaki não era, Sensei Sasaki é! Hoje foi um dia triste, de recordações e muita gratidão ao mestre que tive o prazer de ter. Hoje, em sua homenagem, farei o Kata Hangetsu, que ele gostava muito (e eu também). 

Oss!



Bela noite: Alfa Centauri Sauvignon Blanc 2008, Guidalberto 2011, Cortes de Cima Trincadeira 2011, Magnesia 2013, Alfa Crux Blend 2007 e Royal Tokaji 5 Puttonyos 2009!

Esta postagem também estava engavetada, há muito tempo. Foi uma noite com ótimos vinhos. 
Para começar, o vinho que levei: Alfa Centauri Sauvignon Blanc 2008. Sauvignon de O.Fournier, barricado, mais ao estilo Bordeaux que Loire. Recebeu muitos elogios da crítica, sendo considerado por alguns, o melhor feito com a casta tempos atrás. Cor bonita, brilhante, ele é rico em aromas cítricos, nozes e minerais. Em boca, repete o nariz e mostra-se denso e cremoso. Ótima persistência! Sauvignon de muita classe. Recomendado! O Rodrigo pediu um ceviche para acompanhar, mas a conclusão, muito acertada, foi que o prato estava ótimo, o vinho idem, mas os dois juntos não. Era Sauvignon para pratos menos frescos, mais encorpados.






Indo para os tintos, um ótimo Cortes de Cima Trincadeira 2011, levado pelo rei dos portugueses, Paulinho. Vinho com destaque para a fruta silvestre viva, toques florais e leve baunilha. Em boca, bom frescor e mineralidade. Havia provado tempos atrás, e gostado muito. Achei destaque entre os vinhos produzidos pela vinícola em 2011, na mesma faixa. 
O Thiagão levou uma novidade: Magnesia Öküzgözü 2013. O vinho é da Turquia, e feito com a uva Öküzgözü (quanta trema!). A fermentação é em inox e a maturação por apenas 6 meses em barricas usadas. Assim, não há marcas da madeira. O vinho tem cor clara e aromas frutados, de morango e framboesa. Em boca é bem leve, pouco tanino e com baixa acidez. Bem levinho e final curto, mas fácil de beber. Agradável, mas faltou "punch". Já não foi o caso dos dois tintos à direita dela na foto.
O Guidalberto 2011, da Tenuta San Guido, levado pelo Tonzinho, era um corte de Cabernet Sauvignon (60%) e Merlot (40%), com maturação por 15 meses em barricas francesas e uma pequena porcentagem em americanas. Ele tinha aromas ricos de cereja preta, amoras, alcaçuz e pimenta-do-reino. Intenso em boca, com ótima acidez e taninos finos. O final era longo e rico em especiarias. Belo vinho! Para alguns anos de adega ainda. Uma ótima apresentação ao seu irmão maior, Sassicaia...
O JP levou um querido da turma: Alfa-Crux Blend 2007. Mais um bom vinho de O.Fournier, já com um bom tempo de garrafa. Corte de Tempranillo, Malbec e Cabernet Sauvignon. Sempre digo que, com os olhos fechados, muita gente diria se tratar der um bom espanhol. Vinho com aromas de cereja, ameixas, toffee, especiarias e um fundinho de menta. Em boca, boa acidez, taninos macios e final longo. Muito gostoso, sempre.
E para finalizar a noite, acompanhando a sobremesa, um belo Royal Tokaji 5 Puttonyos 2009, levado pelo Caião. Delícia de Tokaji, com notas de damasco, cítricas, gengibre e mel. Fechou a noite com muita classe.
Isso aí!


quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Belíssimos portugueses: Xisto 2011, Vale de Ancho Reserva 2004, Quinta do Crasto Reserva Vinhas Velhas 2010 e Quinta da Romaneira 2005!


Nessa noite da confraria combinamos só levar portugueses. E não foram quaisquer vinhos. O Rodrigo levou este grande Xisto 2011. Aliás ele já nos brindou com outro dele (clique aqui). Vinho superlativo, cheio de camadas, frutas silvestres em meio a notas de especiarias e chocolate amargo. Intenso em boca, com ótima acidez e taninos finos. Demanda decanter ou bons anos na adega, mas já pode ser apreciado. Um vinhão!
O Paulinho levou um ótimo alentejano: Vale de Ancho Reserva 2004. Seu irmão de 2006 já pintou em nossas mesas duas vezes (aqui e alí). Está mais senhorío que seu irmão de 2006. Mostra aromas ricos de fruta madura, alcaçuz e tabaco. Em boca, repete a sedosidade de seu irmão, e grande equilíbrio. Vinho de grande classe, muito refinado. Delicioso!
Do lado direito dele, na foto, um que é figurinha carimbada aqui no blog, e que também já deu as caras por aqui: Quinta do Crasto Reserva Vinhas Velhas 2010, levado pelo JP. Como ele já foi descrito duas vezes aqui no blog, vou dispensar muitos comentários. A não ser que está uma beleza! Vinhão!
E para finalizar, um Quinta da Romaneira 2005, levado por este que vos escreve. Este sou fã também. Seu irmão de 2007 já pintou por aqui, e outros virão... Vinho com notas de kirsch, amoras, chocolate amargo e toques minerais. Em boca, boa acidez, taninos finos e mineralidade, que lhe tornam muito agradável, pedindo sempre outra taça. Final longo e especiado. Duriense de primeira! Como diria o Rodrigo: "Bão tamém"!

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Tilenus Joven 2010: Gastronômico!

Tilenus Joven 2010: Vinho espanhol da região de Bierzo, feito com Mencía (Jaen, em Portugal), sem passagem por madeira. No começo, ao nariz, mostra-se meio nervoso, mas com o tempo, se equilibra e fica muito legal. Tem aromas florais e de ameixas, cerejas, em meio a toques picantes, especiarias e de azeitona. Em boca, acidez vibrante, taninos redondos, mineralidade e final picante. Tem um leve amargor, que pode causar estranheza quando o vinho é apreciado solo, mas que o torna muito gastronômico. Eu, particularmente, gosto. É vinho para comida! Ficou ótimo com um Strognoff... Dizem que a Mencía tem parentesco com a Cabernet Franc, e este lembrava mesmo vinhos feitos com esta uva. Um vinho de entrada, mas que traz boa complexidade. Gostei dele! Será que a safra deu uma ajuda? Pelos que apreciei, é o produtor que é  bom mesmo. Aliás, os vinhos são feitos sob a batuta do grande Raul Perez. Taí o certificado de qualidade.
Eu só tenho que lamentar os preços praticados aqui no Brasil. Quando se vê os preços na loja on line das Bodegas Estefania, é de dar tristeza, pois são vinhos de excelente preço lá, e ótima qualidade.